Tom Sawyer (Desenho animado e filme)

31 12 2016

tom-sawyer-1Para começar esclarecendo, até certo tempo atrás eu sabia da existência do escritor Mark Twain e do personagem Huckleberry Finn, mas nunca havia lido nenhum livro.  Eu só conhecia Tom Sawyer pela famosa música do grupo canadense Rush. OK, e qual a relação entre uma coisa e outra?

A música do grupo Rush é baseada na obra de Mark Twain, mas só descobri isso após ver um clipe da música que foi gravado em um show, em que os personagens do desenho South Park fazem a abertura e o Eric Cartman canta: “Guerreiro dos dias modernos, seu nome é Tom Sawyer. Ele flutuava rio abaixo em uma balsa com um negro”. Após ter sido interrompido, lhe foi avisado que a letra estava errada, então respondeu: Tom Sawyer construiu uma balsa e flutuou rio abaixo com um negro. Eu li o livro”. Seu colega Kyle Broflovski avisa que esta história não é de Tom Sawyer, mas sim de Huckleberry Finn (veja o vídeo aqui)Foi ai que me bateu a curiosidade de saber um pouco mais sobre estes personagens e qual a relação entre eles.

O importante é saber que Mark Twain publicou o livro The Adventures of Tom Sawyer em 1836. Pelo que vi, em 1930 o livro foi adaptado ao cinema, ganhando diversas outras adaptações ao longo dos anos. Preferi me limitar ao filme de 1938, por ser a versão mais antiga que é possível encontrar no Youtube completo, legendado e colorido (veja o filme aqui).

Sobre o desenho, ele foi produzido pelo estúdio Nippon Animation, do Japão e foi ao ar em 1980 com 49 episódios. É possível assistir a todos episódios no Youtube com a dublagem em português de Portugal (eu assisti nos canais PsYkYd79 e Puppy Linux).

Comparando o desenho e o filme, a animação japonesa estendeu bem cada passagem da história, sem dizer que há muita coisa no desenho que não consta no filme que assisti, por exemplo o grupo de teatro que chega na cidade, a viagem que Tom faz ao Arkansas para levar documentos à tia Sally e a aparição de Arthur O’connor em seu balão de ar (ambas passagens com 4 episódios cada). Creio que o filme seja muito mais fiel ao livro, mas a produção do desenho se saiu bem no desenrolar de cada episódio.

Outro fato é a diferença na ordem dos acontecimentos. No filme, o índio Joe assassina o Dr. Robinson antes dos meninos fugirem e serem dados como mortos, já no desenho primeiro eles fogem e reaparecem no funeral para depois ocorrer o assassinato no cemitério (primeiro episódio da animação que dá um clima de suspense). Falando sobre a fuga e funeral dos garotos, no filme foram o Tom, o Huck e o Joe Harper. Já no desenho, foi o Ben Rogers que acompanhou os dois meninos ao invés do Joe.

Outro fato que apresenta certa diferença é na excursão que as crianças fazem, sendo que no desenho só o Tom e a Becky entram na caverna e logo se perdem, já no filme todas as crianças entram para passear na caverna. É nessa mesma caverna que o então foragido índio Joe estava escondido, sendo que no desenho ele não tenta atacar o Tom, mas morre caindo em uma gruta quando estava sendo perseguido pelo xerife. Já no filme, ele morre ao cair na gruta, mas nesse caso ele estava tentando alcançar o Tom para atacá-lo.

Deixando de lado as diferenças cronológicas, devido a época e o local das produções, alguns detalhes mudaram entre o filme e a animação. Acho que o mais impactante é que em 1938 o escravo Jim era apenas uma criança, e no desenho era um adulto. Huckleberry Finn era um rapaz corajoso e fumava cachimbo no filme, enquanto na animação dos anos 80 ele estava mais para um garoto medroso e ingênuo.

Vejamos a comparação entre personagens da aminação e do filme:

tom-sawyer

Tom Sawyer

tia-polly

Tia Polly

mary

Prima Mary

sid-sawyer

Sid Sawyer

huckleberry-finn

Huckleberry Finn (com seu cachimbo no filme)

becky-thatcher

Becky Thatcher

jim

O escravo Jim (uma criança no filme)

indio-joe

O vilão índio Joe

muff-potter

Muff Potter (o bêbado da cidade e comparsa do índio Joe)

O fato da animação ter 49 episódios deu espaço para os produtores trabalharem mais coisas do que no filme. Posso lembrar de dois momentos que fizeram pensar (creio que foi feito justamente para as crianças da época refletirem sobre o assunto): quando o Tom ajuda na fuga de um escravo e a captura do cavalo branco, em que o Tom também ajuda na sua fuga. Ambos episódios levantam o tema sobre a liberdade. Já um fato que ocorre tanto no filme quanto no desenho, é a ajuda que Tom dá ao Muff Potter, em seu julgamento, ao testemunhar em sua defesa.

Algo que eu achei muito curioso é que, apesar da história “As aventuras de Tom Sawyer” se passar no século XIX, um acontecimento de 1980 foi inserido no último episódio do desenho, no jornal que é lido pelo doutor  Mitchel (com a data de 1880) pode-se ver a notícia da morte de John Lennon:

john-lennon-shotted

Dr. Mitchel e o jornal com a notícia da morte de John Lennon

Muito poderia se falar sobre esta obra fantástica que já foi adaptada para diversos filmes, sem dizer em menções honrosas em outras séries, filmes e livros, mas poderia ficar muito repetitivo com outros materiais da internet e meu objetivo era só falar um pouco sobre minha experiência como expectador.

simpsons-e-padrinhos-magicos

Referência a Tom Sawyer nos desenhos Os Simpsons e Os Padrinhos Mágicos

Gostei muito de ter assistido todos os episódios da animação e de ter assistido ao filme, mas ainda fica a vontade de ler o livro. Também fico feliz por ter feito este post antes do fim de 2016!

 





O emburrecimento pelo ambiente que se convive

11 10 2016

burroDias atrás, estava tendo uma conversa em que fui questionado se seria possível “emburrecer” com o passar do tempo. Não sou nenhuma autoridade para falar do assunto, já que não tenho estudo nem formação para responder tal pergunta, mas neste último ano tenho pensado nisso já que vejo acontecer comigo mesmo.

Voltando à pergunta, não só acho que é possível emburrecer com o passar do tempo, mas é possível emburrecer pelo ambiente em que estamos inseridos diariamente. Lembro que durante o período da minha graduação (2010 – 2013), eu consegui obter uma alta curva de aprendizagem. Eu sentia que estar inserido no ambiente acadêmico me motivava cada vez mais a buscar conhecimento. Minha empolgação era tanta que, além da própria faculdade, em paralelo eu escrevi alguns artigos científicos que foram aceitos para publicação em anais de eventos, sendo que viajei para participar de alguns desses eventos, fui bolsista por um ano na qual desenvolvi um projeto de pesquisa, fiz cursos extracurriculares, obtive certificações e sempre fui participativo nas atividades da faculdade (pelo menos tentava, já que eu tinha um emprego formal e já estava casado).

Minha empolgação com tudo isso era tanta que eu tinha plena certeza que sairia da faculdade direto para um programa de mestrado, já que tinha a recomendação de alguns professores. Bom, a faculdade acabou, me formei, não fui aceito nos programas de mestrado e a vida seguiu. Diante de alguns tropeços, acabei voltando a trabalhar em um emprego que eu já tinha no passado, que é um serviço mais operacional e não exige (nem valoriza) formação ou conhecimento.

Nesse ambiente há profissionais muito bons no que fazem, mas são pessoas que na sua maioria estão ali a 5, 10, 20 anos ou mais. Por comodismo, falta de oportunidade ou interesse, esses profissionais não possuem certa formação. Creio que o modelo de administração da empresa preze por isso, pois o conhecimento pode dar asas às pessoas e eles podem perder a mão de obra atual e não conseguir repor. O que acontece é que nos envolvemos diariamente com as pessoas e acabamos por ter um nivelamento pela média cultural da maioria (nem sei se esta métrica isto existe) e todo aquele conhecimento que cultivamos com o tempo acaba ficando para trás, ele vai se perdendo por falta de uso. Algumas literaturas da área da gestão do conhecimento falam que o ativo mais valioso de uma empresa é o conhecimento e que o mesmo é o único que não sofre desgaste conforme é utilizado. Um exemplo é o aprendizado de um novo idioma: quanto menos você o utiliza, mais ele se desgasta.

 

Este texto é baseado em puro “achismo” do autor, e não deve ser utilizado como referência para nenhum tipo de estudo, já que está mais para desabafo do que para material de consulta.

 

Recomendo a leitura do post A vida profissional e o processo de emburrecimento diário na qual o autor Florisval F. Silva Junior fala sobre o assunto, mas dessa vez com a propriedade de um profissional da área.





Livro: De Volta para o Futuro

22 05 2016

Livro De Volta para o FuturoLivro: De Volta para o Futuro

  • Os bastidores da Trilogia

Autor: Caseen Gaines

Editora: DarkSide Books

Para comemorar o 30º aniversário da saga que reinventou a ficção científica, com boas doses de humor e aventura, a DarkSide® Books tem o prazer de anunciar mais um lançamento imperdível para qualquer geek que se preze: DE VOLTA PARA O FUTURO: WE DON’T NEED ROADS – OS BASTIDORES DA TRILOGIA.” (Fonte: DarkSide Books)

Para quem já assistiu De Volta para o Futuro várias vezes nas sessões vespertinas na TV e já sabe tudo o que acontece mas mesmo assim não se cansa de assistir, este livro é o que faltava para completar a experiência de fã da trilogia. O livro relata desde o início da concepção do filme até recentemente, já que 30 anos depois, o filme continua sendo admirado por diversas pessoas e gera nostalgia ao ter alguma nova notícia, mesmo que seja um box comemorativo do filme em DVD.

Ao longo do livro, são relatadas situações conhecidas e outras nem tanto, já que a Internet possui registro de várias informações citadas no livro. Mas o que agrada é o enredo e a cronologia apresentava pelo autor, dando uma boa noção da época em que determinados fatos ocorrem, como a substituição de atores do primeiro para o segundo filme, ou até mesmo a substituição de alguns atores do primeiro filme que nem sequer apareceram no filme, como o primeiro ator escolhido para dar vida a Marty McFly.

Também são citados os fatos que motivaram a continuação do filme, a escolha de determinados objetos usados no filme, a dublê que quase morre, jogos de videogame , brinquedos de parque e muitos outros detalhes dos bastidores.  O livro possui capa dura com uma textura agradável. Seu interior é repleto de fotos e imagens e acompanha um marcador de páginas em formato do hoverboard. É um ótimo item para a coleção de fãs e entusiastas do filme!

 





Compra de vídeo games e o golpe

28 06 2015

Nota importante: O nome completo das pessoas envolvidas nesta situação está sendo ocultado pois isto se trata de uma suspeita de golpe. Não posso acusar ninguém de nada já que não finalizei a negociação e não pude comprovar se era falso ou não. Este post é só para mostrar como tudo aconteceu e o que me levou a crer sobre o golpe.

Desde o inicio deste ano (2015), estou colecionando vídeo games. Para facilitar a busca e reduzir o preço de compra, eu faço anúncios em grupos do Facebook informando que eu compro vídeo games que as pessoas não usam mais. Meu anúncio padrão é este:

Anuncio games

Leia o texto completo…





Livro (eBook): O Caminho das Apps

24 11 2014

Caminho das Apps

Livro (eBook): O Caminho das Apps

Autor: Allysson Lucca

Este é um ótimo eBook que fala sobre o desevolvimento de aplicativos para dispositivos móveis, mas não é sobre o desenvolvimento de código. O autor busca alcançar os não-programadores, ou seja, as pessoas envolvidas com a descoberta de necessidades, divulgação, estruturação de equipe, etc.

O conteúdo do material é bem resumido e enxuto, sem nenhum tipo de enrolação, e proporciona uma visão geral do mundo dos aplicativos móveis para quem quer se aventurar e não sabe muito sobre o assunto.

Você encontrará o seguinte conteúdo:

  • O que são apps?
  • App nativa ou Web App?
  • A ideia
  • Barreiras
  • O Desenvolvimento
  • Custos

Para fazer o download “gratuito” (troque por um tweet), clique aqui.





COBIT® 5 Framework em Português

5 11 2014

CobiT5Para quem deseja se preparar para a certificação COBIT® 5 ou simplesmente se atualizar em relação a esta versão do framework, já está disponível a edição em português deste material.

O COBIT® 5 é um modelo de negócios e de gestão global para governança e gestão de TI corporativa. Este volume documenta os 5 princípios do COBIT® 5 e define os sete habilitadores que apoiam a composição do modelo.

Para fazer o download basta clicar aqui e realizar um cadastro para obter o material gratuitamente. O material em PDF virá com seu nome (ou o nome utilizado no cadastro) no rodapé.

Compartilhem a vontade…

Veja também:

Material de apoio para a Certificação COBIT® 5

Certificação COBIT® 5

Como “passei” no exame de certificação COBIT® Foundation

Como NÃO passei no exame de certificação COBIT® Foundation





Certificações OIW

2 11 2014

QualificacaoOIWNo dia 30/10/2014, estive no campus 2 da FURB em Blumenau para conversar com os acadêmicos do curso de Engenharia de Telecomunicações sobre os cursos e certificações promovidos pela empresa OIW Telecom Solutions.

Os cursos e certificações são sobre as tecnologias de duas grandes empresas de telecom, conhecidas mundialmente: Ubiquiti e MikroTik. As certificações de ambas as empresas capacitam e habilitam os profissionais a trabalharem com suas tecnologias tirando o máximo proveito do que elas podem oferecer.

Para ver o conteúdo da apresentação, clique aqui e depois em “Start Prezi”.

Para maiores detalhes sobre os cursos e as provas, basta entrar em contato através dos emails disponíveis no fim da apresentação.





Certificação em Segurança da Informação do EXIN

24 10 2014
SobreCertSegInf

Clique e assista o vídeo

Conheça mais sobre o Programa de Certificação da Segurança da Informação do EXIN

(O conteúdo deste post é uma reprodução do email enviado no dia 23/10/2014 para os assinantes dos Boletins Informativos do  EXIN Brasil)


 

O programa de qualificação em Segurança da Informação do EXIN é essencial, especialmente para qualquer organização que lida com informações confidenciais. Devido a globalização das redes e troca de dados, a informação é um alvo de fraudadores e crackers. Ao mesmo tempo, muitos colaboradores e até mesmo gestores desconhecem ameaças e riscos. Um pequeno e (aparentemente) insignificante erro humano pode ter consequências significativas para sua organização.

Os riscos associados à perda, roubo ou abuso da informação são grandes. Mas as medidas que promovem a segurança da informação podem dificultar a forma como as pessoas executam seu trabalho. “Por que eu tenho de usar uma senha para realizar uma simples impressão? Por que eu tenho que desligar meu computador ao me ausentar?”. Aumentando a consciência das pessoas quanto ao risco, o senso de responsabilidade também aumenta.

O programa de qualificação em Segurança da Informação do EXIN tem como objetivo aumentar a conscientização e oferecer três níveis de certificação: Foundation (ISFS), Advanced (ISMAS) e Expert (ISMES). Os três níveis são baseados no código de prática da norma ISO/IEC 27002. Os requisitos mínimos para segurança da informação estão descritos nesta norma ISO.

Benefícios para empresas e profissionais:

  • Promover uma cultura corporativa consciente quanto aos aspectos de segurança;
  • Aprender formas práticas de manusear informações confidenciais;
  • Trabalhar de acordo com as recomendações ISO/IEC 27002;
  • Ter a capacidade de responder a legislações e regulamentações.

O programa de Segurança da Informação do EXIN está na lista das recomendações de capacitação e certificação do Gabinete de Segurança Institucional – Departamento de Segurança da Informação e Comunicações da Presidência da República – 17/IN01/DSIC/GSIPR

A Certificação nível Foundation (ISFS) está disponível no Exin Anywhere. Quer saber mais? Clique aqui.

Veja também:

Como passei no exame de certificação ISO27002

Fundamentos da Segurança da Informação com base na ISO/IEC 27002





Livro: Os Goonies

28 09 2014

gooniesLivro: Os Goonies

Criado por Steven Spilberg

Escrito por James Kahn

Editora: Darkside Books

Meu objetivo, neste post, não é fazer um review do livro e nem do filme, mas falar de algo nostálgico…

Existem muitos livros que, devido seu sucesso, dão origem a filmes. O livro “Os Goonies” foi diferente: Ele foi criado durante o processo de produção e filmagens do longa-metragem.

Eu comprei este livro em um pacote que acompanhava o DVD do filme com mesmo título. Apesar de já conhecer o filme, das sessões de filmes vespertinas das emissoras de sinal aberto, já faziam muitos anos que eu não o assistia. Eu lembrava da temática do filme, do que se tratava e de como terminava, mas não lembrava de detalhes.

Ler este livro foi um ótimo exercício para minha memória. Cada página lida fazia com que eu recordasse tudo aquilo que eu já havia visto, mas agora com um bom detalhamento dos acontecimentos. É como ouvir alguém contado algo do passado que você presenciou. Está tudo lá guardado na sua mente e, conforme aquilo vai sendo recordado, as cenas vão surgindo.

É diferente de ler um livro e depois ver o filme que, muitas pessoas reclamam da falta de detalhes e de fatos do livro não mostrados nas filmagens. Bom, este é um post curto e bem diferente dos demais do meu blog, então, para quem viveu os anos 90 e gosta de ler, recomendo a leitura deste livro.

Goonies2

“Os Goonies é, na verdade, um filme sobre a amizade, sobre manter-se unido. O sonho de toda criança é poder estar no controle de seu próprio destino, ainda que apenas por um sábado à tarde. Não seria incrível nunca perdermos esse sonho? A verdadeira magia dessa história está sobretudo naquilo que eles se tornam uns para os outros, de uma maneira muito especial”. Steven Spilberg





Livro: A Criatividade Do Rei

6 07 2014

Criatividade_rei_smallLivro: A Criatividade Do Rei

  • Um método fácil para você se tornar mais criativo

Autor: Roberto Lima Netto

Editora: Ediouro

“A facilidade de transmitir informações gerou uma revolução mundial. Isso está colocando em risco os grandes conglomerados empresariais, aqueles que não têm agilidade necessária para sobreviver nesse novo ambiente. Aquelas que deixarem o barco passar, e se esconderem em seu sucesso do passado, não vão sobreviver. Na micro, na pequena e na média empresas, ainda não tão fortemente estruturadas como a grande, a inovação se torna menos difícil. Essa é uma grande vantagem que o setor tem e deve aproveitar. A necessidade de criatividade e inovação transcende a empresa. Também na vida pessoal pode ser o diferencial entre o fracasso e o sucesso.” (Fonte: Ediouro Editora)

“Este livro faz parte do programa Parceria com Editoras, do Sebrae, que difunde o empreendedorismo em bibliotecas e livrarias. Terceiro de uma série, A Habilidade do Rei é voltado para executivos e empreendedores. Diferentemente das duas primeiras edições da série, O Tesouro do Rei e A Criatividade do Rei, esse livro não aborda mais as simples noções básicas de um negócio. Diz o livro que, mesmo quem tem uma capacidade inata para negociação, não tem chances diante de uma pessoa preparada para negociar. O autor, Roberto Procópio de Lima Netto, PhD em economia pela Universidade de Stanford (EUA), foi o primeiro presidente do Sebrae, há quase 33 anos.” (Fonte: Revista PEGN)

O livro conta a história do Velho (e sábio) Rei que ensina o jovem Rei, Alain, a resolver problemas e tomar decisões, relacionadas ao governo do reino, com sabedoria e criatividade. Os exemplo utilizados no livro são fictícios, já que têm como base um reino e problemas da idade média, mas, o que interessa, são os métodos utilizados pelo velho Rei. Ao longo da história, o velho Rei propõe desafios de lógica, muitos conhecidos atualmente, ao jovem Rei, como forma de treinar o raciocínio e o método criativo que é ensinado.

É um bom livro para quem procura abrir a mente e procura uma nova forma de pensar. Ideal para empreendedores que precisam surpreender o mercado com novidades e inovações.








%d blogueiros gostam disto: